Conecte-se conosco

Covid-19

Vacina em forma de spray nasal contra covid é desenvolvida na USP

Marlon Oliveira

Publicado

em

Uma vacina brasileira em forma de spray nasal contra covid-19 está sendo desenvolvida pela Universidade de São Paulo. Ela já foi testada contra hepatite B com ótimos resultados em camundongos.

“Testamos em camundongos e, depois de 15 dias, eles estavam imunizados”, comemora  o coordenador da equipe, o médico veterinário, Marco Antonio Stephano,da Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF) da USP.

O modelo de imunização foi redirecionado para tentar frear a disseminação do novo coronavírus e em até três meses os cientistas pretendem testar essa mesma vacina nasal contra a covid, também em camundongos.

Como

A equipe desenvolveu uma nanopartícula a partir de uma substância natural. Dentro dela, foi colocada uma proteína do vírus.

O resultado disso é uma substância em forma de spray para ser utilizada nas narinas do paciente.

A expectativa é que o corpo produza a IgA Secretoram, um tipo de anticorpo presente na saliva, na lágrima, no colostro, no trato respiratório, no intestino e no útero, que atuaria no combate ao novo coronavírus.

A nanopartícula criada pode permanecer na mucosa nasal por até quatro horas, tempo suficiente para ser absorvida e iniciar uma resposta do sistema imunológico.

Aplicação

De acordo com a USP, para garantir a imunização, será necessária a aplicação de quatro doses – duas em cada narina, com intervalo de 15 dias.

“Além de inibir a entrada do patógeno na célula, a vacina impedirá a colonização deles no local da aplicação”, explica Stephano

Participam da criação desse spray nasal virologistas e imunologistas do Instituto de Ciências Biomédicas da USP, especialistas em nanotecnologia do Instituto de Química da USP, pesquisadores da Plataforma Científica Pasteur-USP, e da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Vantagens

A imunização nasal traz vantagens em relação às vacinas injetáveis. É bem aceita por crianças e idosos, não é invasiva e tem menos reações ou efeitos colaterais.

“Sempre que se pensa em infecções respiratórias, acreditamos que uma vacina com esse tipo de abordagem é melhor, pois ela gera imunidade no local da aplicação e produz IgA”, explica  a imunologista Cristina Bonorino, da Sociedade Brasileira de Imunologia e professora da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre.

Testes

Os protótipos devem ficar prontos em cerca de três meses – quando será possível iniciar os testes em animais.

Os pesquisadores estimam que o produto seja repassado ao público a um custo de R$ 100 reais.

Uma empresa farmacêutica deverá desenvolver os protótipos.

Segundo a OMS, existem pelo menos 100 vacinas contra a covid-19 em desenvolvimento no mundo. Algumas delas já se encontram na fase de testes clínicos.

Clique para comentar

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Mais Lidas